RESENHA: A Menina Que Não Acredita em Milagres - Wendy Wunder

19 abril 2018
A Menina Que Não Acredita em Milagres
Wendy Wunder
Editora: Novo Conceito
Ano: 2016
Páginas: 327
Classificação etária*: +14 anos ||
Adicione no Skoob - Compre aqui (Físico | Kindle)
Sinopse: Campbell tem 17 anos. Ela não acredita em Deus. Muito menos em milagres Cam sabe que tem pouco tempo de vida, por isso quer viver intensamente e fazer tudo o que nunca fez, no tempo que lhe resta. Mas a mãe de Cam não aceita o fato de perder a filha, assim, ela a convence a fazer uma viagem com ela e a irmã para Promise um lugar conhecido por seus acontecimentos miraculosos. Em Promise, Cam se depara com eventos inacreditáveis, e, também, com o primeiro amor. Lá encontra, finalmente, o que estava procurando mesmo sem saber. Será que ela mudará de ideia em relação à probabilidade de milagres? A Menina que não Acredita em Milagres vai fazer você rir, chorar e repensar sua conduta de vida.
 

   Faz tempo que esse livro está nos meus desejados. Na verdade, foi justamente no lançamento, em 2016, e só agora consegui ler. Acho que esse tempo todo fez com que eu criasse expectativas que nem de longe foram suficientes para o que eu imaginei e para o que a própria sinopse nos indica. Na verdade, até eu ler eu achava que fosse uma Campbell, já que não acredito em milagres também. Um livro bem no estilo de um dos meus favoritos, Quase uma Rockstar, mas não foi.


"Se existe um poder superior fazendo origami do Universo, ele me odeia."

   Em A Menina Que Não Acredita em Milagres, a protagonista Campbell tem câncer em estado terminal e já tentou todos os tratamentos possíveis, nos melhores hospitais. Sua mãe, nunca desistindo da filha, descobre que uma cidadezinha no Maine tem a fama de acontecimentos milagrosos. Campbell, a mãe e a irmã largam a Flórida e embarcam em uma viagem até o desconhecido em busca de um milagre.

"Também não acreditava na Imaculada Conceição, mas você poderia arranjar um monte de problemas se admitisse para alguém que achava que a Virgem Maria provavelmente só tinha engravidado, assim como vinte por cento dos adolescentes da Flórida. Essa era uma ideia que você deveria guardar para si mesma. Porque outras pessoas precisavam de milagres. Outras pessoas acreditavam em mágica."

   No começo já dá pra imaginar que é um livro young adult, mas com um nível de sick-lit** super elevado. A história nem tem muito o que render né? Uma garota com alguma doença que já esgotou suas possibilidades de melhora. A gente já conhece essa premissa e sabe aonde ela chega. O que me fez ler esse livro foi justamente essa procura do milagre em uma cidade famosa por isso. Sem dúvida nenhuma, as melhores partes do livro foram as que detalhavam a cidadezinha Promise.


   No entanto, não tive nenhuma afeição pela protagonista, o que é estranho já que geralmente livros assim tendem a ser bem emotivos com a personagem principal. No caminho para Promise, a família de Cam passa por duas paradas: a casa da melhor amiga de Cam (que ela conheceu em um hospital e também tem câncer) e a avó dela. É aí que a história se desenvolve, no resultado desses encontros tão esperados por Cam. Até aí o livro caminhava muito bem. 

"A ciência não é suficiente agora, Campbell. Você precisa de um milagre."

   Parei de esperar muito quando Cam chega em Promise e a promessa da sinopse de questionamento de Cam acerca da existência de milagres e em Deus é escassa. Gente, tinha horas que eu queria dar um tapa na cara da protagonista para ela parar de fazer merdas! Tem uma certa parte que eu me recusei a ler os detalhes porque é simplesmente absurdo como alguns autores colocam os adolescentes como seres totalmente depravados que só pensam em sexo, bebida e drogas. Calma! Claro que Cam também vai conhecer um carinha super legal que eu bato palmas pra ele com os pés por ser incrível.

   Não sei se foi por causa da minha expectativa altíssima, mas esse livro não cumpre muita coisa da sinopse, mesmo sendo sim uma narrativa bem young adult e envolvente que me fez ler até o final e rir bastante (sério, eu ri de engraçado mesmo). Vários acontecimentos lá em Promise mudaram a vida de Cam (bem clichê) e eu gostei da lição do final do livro. Mas, claro, se você já leu algum sick-lit, já sabe que lição é essa. 

"Toda a indústria do câncer, de trilhões de dólares, e todas as suas máquinas, Cam percebia agora, em vão. Toda a dor que causara. Todos os transplantes de medula. Em vão."

"- Nunca conheci alguém que fosse salvo que, primeiro, não se salvasse - disse ela.
- Uau. Foi Jesus quem disse isso? Ficaria muito bom numa caneca. Ou numa almofada para agulhas. Você podia vender isso."

Outros livros sick-lit com a mesma pegada que esse:



*Classificação baseada no meu senso de obscenidades
** Gênero do young adult em que a temática central na maioria das vezes são pacientes com doenças (terminais ou não) ou também podem ter temáticas como assédio, violência sexual, estupro e bullying, que nem 13 Reasons Why. 

________________________________________________________________________________________________________________________________________________

12 comentários

  1. Oi Clarissa! Eu não gosto de sick-lits e tenho muitas vezes birras com narrativas adolescentes, mas talvez justamente por isso, por não ter muitas expectativas, eu gostei do livro rs Gostei da Cam e a forma direta como ela tratou a doença terminal dela e o fato da mãe tentar até milagres. Uma pena que vc não tenha curtido tanto, mas acontece rs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que deve ter sido isso de expectativas mesmo que as minhas eram enormes com esse livro e aí quebrei a cara hahah

      Excluir
  2. Oi Clarissa, tudo bem?

    Então, não gostei muito da premissa do livro e a tua nota 2 me desanimou ainda mais.
    Acho bem frustrante quando um livro desaponta desse jeito.

    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, fiquei bem desapontada porque eu achei que ele realmente tem uma premissa muito boa :(

      Beijos

      Excluir
  3. Oi Clarissa,
    Eu até gosto de sick-lits, eles me fazem refletir e valorizar a vida, mas este, acho que não vou ler não... Confesso que esperava um pouco mais, sabe? :(
    Uma pena!
    Beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É por isso que leio livros assim, de vez em quando é até bom uma inspiração assim, mas não rolou com esse livro!

      Beijoss

      Excluir
  4. Aii adorei a votação ali no fim! Faz pra todos <3 Eu nunca tinha ouvido falar no livro, pela sinopse parece bem legal. Mas também me irrita que os autores ou fazem os jovens como uns trouxas por amor, que não sabem nada da vida e só fazem merda, ou transforma em maníacos sexuais. Ou são tão ingênuos que é impossível ser verdade. Eles são de tudo um pouco, mas nada exagerado hahaha gostei da resenha, não sei se ia curtir o livro, mas me deu uma vontadezinha de ler x)

    Bom fim de semana!
    tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahhaha pode deixar, Raquel, também adorei a votação. Achei uma forma bem legal de saber a opinião de vocês do lado daí!
      Simmm! Vários livros que ando lendo são assim, me revolto demais!

      Excluir
  5. Oi, Clarissa! Tudo bom?
    Expectativa é uma complicação mesmo, já quebrei a cara com tanto livro que até dói.
    Particularmente, eu me apaixonei por esse livro - talvez por ter chegado nele sem saber o que esperar. Gostei da construção da jornada da protagonista e de como as coisas foram desandando, mas a esperança continuou ali na narrativa.
    Adorei a resenha e achei a ideia da votação muito legal! *-*

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, que ótimo que essa leitura foi boa pra você! Queria que tivesse sido assim pra mim também :/

      Excluir
  6. Gostei bastante da sua resenha, mas, nada do livro me chamou atenção. Pelo fato de eu ser ateia, a mãe da personagem provavelmente me irritaria se ficasse tentando convencer a acreditar em Deus, ou algo assim.
    E como você disse que a protagonista chega a ser irritante em alguns momentos, acho que me irritaria com ela também. Tô cansada de sentir raiva de personagens haha

    Nanda, Gravado na Memória

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até que ela não insiste tanto nisso de religião, é mais no milagre de que ela vai ficar boa mesmo e eu tenho minuas dúvidas sobre essas coisas também e por isso esperava mais do livro sabe? Eu também já peguei ranço desses personagens irritantes hahaha

      Excluir

❤ Proibido usar palavras de baixo calão
❤ Não há moderação de comentários
❤ Deixe o link do seu blog para que eu também possa visitá-lo e segui-lo no Google Friends Connect!

por aqui...

algumas parcerias e informações
.
.