RESENHA: A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard

02 março 2018

A Rainha Vermelha
Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Ano: 2015
Adicione no Skoob - Compre aqui
Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho? Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração.
 

 Demorei tanto pra ter esse livro, que o fato de eu ter dado cinco estrelas até agora me impressiona. Essa foi minha tentativa de ler uma distopia com pedacinhos de fantasia e, agora que já me familiarizei com o gênero, mal posso esperar para continuar a trilogia e ler mais livros parecidos com esse.


"Os agentes são prateados, e os prateados não têm nada a temer de nós, vermelhos."


   Mare Barrow tem sangue vermelho em uma sociedade onde a população é dividida pela cor do sangue. Os vermelhos são injustamente inferiores aos prateados, que têm poderes e são postos acima de todos. Em uma tentativa de fugir do recrutamento (a ida à guerra, quando você está desempregado), Mare acaba conseguindo ser criada no palácio real e lá descobre que é uma criatura especial nesse mundo dividido de vermelhos e prateados. Ela se alia a Guarda Escarlate, um grupo terrorista em defesa do mundo igualitário, e passa a ter que lidar com dois príncipes de índoles totalmente apostas, ficando não só em um triângulo amoroso, mas vendo toda a sua vida ficar em risco.

    Quase abandonei A Rainha Vermelha. O primeiro capítulo não me prendeu e eu sinceramente achei que os outros capítulos iriam ser assim meio chatos e sem graça. Agradeço por ter ido em frente e continuado, pois no segundo capítulo eu já queria respostas e imaginava o quanto esse livro me revelaria sobre os vermelhos e prateados. 


"Esta é a verdadeira distinção entre prateados e vermelhos: a cor do sangue. Esta única diferença os torna mais fortes, mais inteligentes e melhores que nós."



   Com toda carga política e caráter de igualdade entre os povos, essa distopia me chocou, me lembrando uma mistura entre A Seleção e Jogos Vorazes. Incrível como a autora, Victoria Aveyard, conseguiu fazer essa junção de realeza, injustiça social, luta de classes e ainda colocar poderes sobrenaturais junto. Parece meio bobo, mas analisando mesmo o lado do conteúdo político do livro, dá pra perceber que a Mare Barrow, a protagonista, foi projetada ali como a única que seria o símbolo de uma possível revolução, pois ela tem o poder extraordinário de ser diferente dos vermelhos e dos prateados. 
  
      Me disseram que A Rainha Vermelha é um romance e não consigo concordar com isso. Passa longe de um romance água com açúcar, até porque cada movimento da protagonista, mesmo com dois príncipes na sua cola, foi pensando no seu povo, nunca esquecendo de onde vem e do quanto está ali para salvá-los. Mare é uma das protagonistas mais corajosas que já conheci nesse mundo literário e por mais que eu tenha tido ranço dos dois príncipes, um personagem (o Julian) chamou minha atenção e mesmo a importância dele não sendo muita, no final percebemos que Victoria soube usar detalhes na história que depois se tornariam o foco principal.


"Enquanto não nos reconhecerem como humanos, como iguais, a guerra baterá à porta das suas casas."

      Eu já estava bem morta nos últimos capítulos e já certa do que iria acontecer. Mas é aí que a autora me engana direitinho e um plot twist miserável me deixou sem piscar até finalizar o livro de vez. Não se brinca assim com meu coração! Percebe-se que a autora não colocou um plot twist pra dar uma incrementada na história, tudo faz todo o sentido e se encaixa perfeitamente, o que me deixa surpreendentemente louca para ler o próximo livro dessa trilogia!

9 comentários

  1. Oi Clarissa! Tudo bom?
    Eu AMO essa saga, apesar de não gostar tanto desse primeiro livro. O 2 e o 3 são favoritos da minha vida. A Victoria dá um salto na história que é de cair o queixo, e a qualidade da narrativa/desenvolvimento dos personagens só aumenta.
    Tô morrendo de ansiedade pelo último volume, nem sei o que esperar KAFUOASBGASUOBGASUO
    Adorei a resenha!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério???? Agora fiquei mais ansiosa ainda pra ler!!!

      Excluir
  2. As resenhas sempre são positivas sobre esse livro, quero ler!

    mariasabetudo

    ResponderExcluir
  3. Oi, Clarissa!
    Eu até curti esse primeiro livro, mas larguei a série na metade do segundo. Não aguentava mais a Mare hahahah
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da Folia Literária 2018: cinco kits, cinco sortudos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainnn, fiquei preocupada agora. Vamos ver se também pego ranço da Mare hahah

      Excluir
  4. Helloo, tudo numa nice?!
    É interessante como as pessoas tem opiniões tão diferentes, não é não?!
    Eu li esse livro que lançou e detestei muito. Talvez porque já li muitas distopias e fantasias e o que a autora fez nessa obra me deixou irritada. A Rainha Vermelha é simplesmente uma junção de muitos outros livros em um só. Para mim foi sofrível terminar a obra e com certeza nem comecei a ler o segundo que recebeu muitas críticas por causa da lentidão e a Mare. Nossa como detestei essa protagonista. Acho que o final - plot twist - serviu para deixar muita gente curiosa, mesmo aqueles que ficaram incomodados com as imitações que a autora fez. Mesmo com a reviravolta não consegui gostar da obra. Uma pena.
    Mas que bom que funcionou para você.
    Beijin...
    Alana Gabriela | Books and Stuff

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhhhh deve ser isso então, não sou acostumada a ler distopias nem fantasias, mas entendo o que você quis dizer. Tive esse mesmo sentimento quando li um livro da Carina Rissi que pareceu imitar outra saga que li há anos. É bem chato mesmo e parece forçado!

      Excluir
  5. Amei sua resenha, muito bem construída. Esse livro está na minha meta de leitura, e agora fiquei ansiosa pra ler logo. Xero...

    nayanemartins.com

    ResponderExcluir

❤ Proibido usar palavras de baixo calão
❤ Não há moderação de comentários
❤ Deixe o link do seu blog para que eu também possa visitá-lo e segui-lo no Google Friends Connect!

por aqui...

algumas parcerias e informações