31 agosto 2017
Territórios (in)explorados

Territórios (in)explorados

Foto: Tumblr

         Acho que essa é a primeira vez que sinto que devo abrir o Blogger e escrever o que estou sentindo. Gosto de fazer isso às vezes, mas quase nunca o faço na mesma hora que bate a inspiração. Agora, faço o que todos devem fazer quando sentem esse desejo de transformar pensamentos em palavras. Bem, hoje foi, inicialmente, um dia comum e preguiçoso. Tive estágio e aula de Comunicação e Culturas Populares, mas voltei pra casa mais cedo. Simplesmente peguei o ônibus das 16:30 sem meus amigos ou qualquer pessoa que eu pudesse manter uma conversa pelos 10 minutos que eu ficaria ali sentada esperando meu ponto. Desta vez, eu fazia companhia para mim mesma. Não pensei no jantar que faria um pouco mais tarde, nem se tinha louça pra lavar ou na comparação que eu tinha que fazer para a aula de sexta, por incrível que pareça. Tudo que eu conseguia pensar era em como fui parar nesse lugar que vos escrevo e descrevo. Há oito meses atrás, em 1 de Janeiro de 2017, eu fazia pedidos ao céu. Nada clichês, inclusive. Pedi especificamente que eu conseguisse passar em Jornalismo na UFPE do Recife, porque aquele era único caminho que eu conhecia para dar o primeiro passo para realizar meus sonhos. Tola.

         Tinha que ser aquele curso, aquela faculdade e aquele lugar. Na minha mente não havia espaço para mais outro e, caso eu não conseguisse passar, ficaria mais um ano na minha cidade natal, ou quantos anos precisasse, até conseguir ir pra lá. Todos os meus planos mentais já feitos foram por água abaixo em uma manhã de Fevereiro, quando consegui abrir o Sisu e ver que eu estava aprovada em uma universidade pública. Não era em Jornalismo. Não era na UFPE do Recife. No momento eu só pensava no quanto eu havia me esforçado e não acreditado em mim mesma. Mas eu estava ali e tinha conseguido. Assim que mostrei ao meu pai a tela que quase piscava uma das frases mais bonitas que já li, ele me perguntou algo desconcertante. "Caruaru? Tu vai desistir de tentar uma vaga em 2018 no Recife pra ir pra Caruru esse ano fazer um curso que nem é Jornalismo puro?". Eu passei em Comunicação Social na UFPE de Caruaru. 

         Caruaru fica, de fato, a quase a mesma distância que eu faria se estudasse no Recife, mas nem muita gente vem pro lado de cá. Meus pais me apoiaram mesmo assim e eu vim, mas a ficha nunca caía. Parecia que a qualquer momento eu acordaria cedo e iria para a escola ter mais uma aula de Física com coisas que jamais vou usar na minha vida. E foi hoje que as coisas começaram a fazer sentido pra mim. Eu preciso de uma foto que simbolize minha visão de território para a aula de Introdução ao Audiovisual. Mas o que é território pra mim? Seria Limoeiro, minha cidade natal? Caruaru? 

         Não precisei pensar muito. O que senti no ônibus hoje enquanto olhava pela janela -  e tentava fazer com que meus cabelos não voassem janela afora - explica tudo. Naquele momento eu senti amor. Senti quando o ônibus passava pelo Hospital Mestre Vitalino, por debaixo do viaduto que eu carinhosamente chamo de "coloridinho" pelas artes pintadas no interior e, finalmente, senti amor tempos depois quando puxei a cordinha sinalizando que desceria no meu lugar de sempre. Ali eu cumprimentei com amor o moço da barraca de cachorro quente da esquina com um aceno de cabeça, fiz o percurso de sempre pelo mesmo lado da calçada e abri a porta de casa como todos os dias. Quando fechei a porta atrás de mim, senti aquele amoroso cheiro de cuscuz e ri ao me lembrar que da última vez que entrei a casa estava com cheiro da soja de Fátima, minha amiga que mora comigo. Não demorei muito para perceber que esse é meu território. Não. Não é Caruaru especificamente, mesmo amando todas essas coisas. Não é Limoeiro, mesmo amando toda a cultura, o rio Capibaribe, o São João, minha casa onde cresci, minha família e amigos de lá. Não escolhi nenhum desses lugares já explorados por mim, nem muito menos os inexplorados que sonho em conhecer. 

           Meu território é todo e qualquer lugar onde eu possa amar. 
29 agosto 2017
RESENHA: Meu Deus, Mas Que Cidade Linda - Rodolfo Melo

RESENHA: Meu Deus, Mas Que Cidade Linda - Rodolfo Melo


Meu Deus, mas que cidade linda
Rodolfo Melo
Editora: Editora 42
Ano: 2017
Página: 144
Adicione no Skoob - Compre aqui
Sinopse: Meu Deus, mas que cidade linda é um livro que poderia ser descrito como uma coletânea de contos policiais, ou criminais, ou sobre a violência. Mas, é mas um livro sobre as desigualdades sociais, sobre a ignorância humana, sobre preconceitos. E de forma crítica, muito crítica, até ácida, a cidade é linda. Dependendo dos olhos que a veem. Nascido em Brasília, Rodolfo se tornou escritor assim, como quase todo mundo: escrevendo. Seu segundo livro impresso traz um recorte pontual sobre a realidade brasiliense. A violência, o racismo, os medos. Brasília é linda, viva e urbana. E como toda cidade, guarda em seus becos, suas ruas, suas pessoas, histórias. Aqui você a verá desnuda. Um livro de crônicas ácidas, duras, violentas e verdadeiras, marcadas pela escrita aguda de Rodolfo Melo.
* E-book cedido em parceria com o autor. 
 

     Primeiramente gostaria de dizer que aconteceu algo muito sinistro quando comecei a ler Meu Deus, Mas Que Cidade Linda, segunda-feira passada. Não, não passei uma semana lendo. Na verdade, fui dar uma espiada no começo do livro enquanto esperava a van sair do lugar às 5:10 da manhã. O negócio é o seguinte (devo dizer o contexto, pois faz parte das minhas estrelas para MDMQCL), recentemente saí de minha cidadezinha pacata no interior e me mudei para uma beeem maior e quase uma capital. De fato, é a Capital do Forró, - aquelas coisas que a gente aprende quando se muda para uma cidade grande que nem esperava 7 meses atrás. Mas pra quem ainda não sabe, passei em Comunicação Social na UFPE e como quero ser jornalista, com 17 anos de idade joguei minhas roupas na mala e me mudei. Com Meu Deus, Mas Que Cidade Linda, refleti sobre minha mudança para Caruaru, mas também sobre ter deixado minha tão amada, e quase não violenta, Limoeiro, mesmo a cidade central dos contos seja Brasília. Creio que toda cidade tem um pouco de Brasília, no lado do livro.

     Em Meu Deus, Mas Que Cidade Linda, vários contos ambientados na cidade de Brasília mostram dilemas como violência, preconceito e crimes envolvendo paixão, infância, ciúmes, saudades... Não consigo fazer uma descrição mais detalhada que isso sem dar spoiler, e cada conto é curtinho e com finais em comum. Acabei de terminar o livro e vim correndo escrever a resenha antes que eu esquecesse de tudo que eu tenho para falar.

27 agosto 2017
RESENHA: Olhos Vendados - Faye Kellerman

RESENHA: Olhos Vendados - Faye Kellerman

Olhos Vendados
Faye Kellerman
Editora: HarperCollins
Ano: 2016
Páginas: 368
Adicione no Skoob - Compre aqui
Sinopse: Como detetive de homicídios de Los Angeles, Peter Decker não vive uma vida normal. Depois de anos na polícia, já viu todo tipo de coisa e nada mais parecia surpreendê-lo. Decker, inclusive, aprendeu que seu trabalho é uma ameaça para aqueles que mais ama, entre elas sua esposa, Rina Lazarus. Mas o melhor investigador da Califórnia é desafiado novamente quando um brutal assassinato múltiplo envolvendo o bilionário Guy Kaffey o enreda em intrigas e mistérios que colocam sua família em perigo mais uma vez.
 

         Devido ao meu amor aparente por investigações criminais, encontrei Olhos Vendados em um estande do Shopping Difusora e eu sinceramente o levaria só pela capa maravilhosa, mas o assunto já era parte de meu interesse, então só comprei e encarei o livro por meses na minha estante, esperando o momento certo de ler. Bem, o tal momento chegou e, infelizmente, foi contrário ao que coloquei nesse livro na minha mente. Ele é sim de investigações criminais, mas ao contrário do que aconteceu quando li Harlan Coben, a narrativa não me prendeu ao crime e nem me fez querer descobrir quem matou quem.

"Decker desligou e pensou em tudo de que precisava: um caderno de anotações, canetas, luvas, sacos para evidências, máscaras faciais, lupas, detectores de metal, hidratante e Advil, e este não para uso forense, mas porque ele estava com uma dor de cabeça forte, por ter sido despertado de um sono profundo."
22 agosto 2017
RAPIDINHAS: Parceria com Gabriela Simões + 100.000 views do blog!

RAPIDINHAS: Parceria com Gabriela Simões + 100.000 views do blog!

     Sim, eu sei que sumi. Não é como se eu tivesse esquecido daqui ou algo do tipo. Lembro todos os dias e sempre to nas redes sociais tentando atualizar sobre minhas leituras (inclusive, pra quem ainda não sabe, meu instagram/ do blog também é @proximaprimavera). Porém, devo usar aquela desculpa básica de começo de período onde você está tentando encontrar aquela rotina que costumava ter. Passei as últimas semanas meio de ressaca da vida e agora estou voltando aos poucos com muitas mudanças na minha vida que, de fato, são positivas demais, mas ao mesmo tempo vão tomar meu tempo. Chegou a hora de realmente focar no blog e pensar como sempre comento por aqui: o Próxima Primavera também é um trabalho. 

     Enfim, esse post era só para atualizar vocês e aproveitei para colocá-lo na coluna das "rapidinhas" anunciando mais duas coisas super legais e em primeira mão. O blog fechou parceria com uma autora portuguesa, a Gabriela Simões. Ela é a escritora do livro Ponto Sem Retorno. Fiquei muito interessada quando ela entrou em contato comigo, pois será meu primeiro livro de uma autora portuguesa. Estou extremamente ansiosa para saber como vou lidar com o fato de a escrita ser na nossa língua, mas ao mesmo tempo tão diferente do que costumamos ler tanto nos livros daqui, como nas traduções. 

Giselle Levy é uma meia-bruxa que vive isolada do mundo com o seu avô, escondida do olhar do rei. Cuidadosa e astuta, contudo, ainda assim, numa tentativa de sobreviver, foi apanhada e chantageada por um dos príncipes de Kendrad, Cristian, que promete não a entregar, se esta for trabalhar para o palácio. Num dilema, ela coloca em perigo a sua identidade e passa a trabalhar no palácio, onde terá de lidar com as constantes tentativas de sedução do príncipe Cristian, os misteriosos olhares de príncipe Eli, os encontros escondidos com o seu melhor e único amigo Rylan, e um rei desumano com segredos obscuros. Giselle vive numa constante incerteza e angústia de ser descoberta, amargurada pelo facto de não poder ser livre, encontra uma misteriosa sala, com um poderoso encantamento que poderá mudar tudo. Assertiva, inteligente e defensiva, irá deparar-se com uma escolha que mudará a sua vida e ideia de si própria, para sempre.

Gabriela Gomes Simões nasceu na cidade da Amadora em 1998. Terminou o ano passado o Ensino Secundário no curso de Ciências e Tecnologias, neste momento encontra-se a tirar uma licenciatura em Gestão Hoteleira na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Tem como sonho dar a conhecer a sua escrita. A paixão pela escrita começou muito nova, com apenas oito anos escrevia pequenos poemas e histórias, tendo concluído o seu primeiro manuscrito com catorze anos de idade. Nos últimos quatro anos dedicou-se ao seu aperfeiçoamento, no seu conteúdo e forma, acabando por crescer com ele, dando-lhe o título de Giselle – Ponto Sem Retorno, sendo este o seu primeiro livro. 


Em breve tem resenha por aqui e mais informações no Instagram também! 

     A segunda rapidinha é que o blog atingiu 100.000 visualizações! Não costumo ligar muito pra isso, e sim para o que realmente as pessoas que me acompanham levam consigo, mas é impossível não comentar sobre este marco. Inclusive, pode ser poucos para alguns, mas para mim isso significa que mesmo depois de 1 ano e 7 meses aqui lutando para tentar o blog sempre atualizado com conteúdo legal e com minha opinião exposta, eu estou no caminho certo e que mais e mais pessoas estão conhecendo meu trabalho e, ainda melhor, conhecendo pouco a pouco cada vez mais sobre a Literatura em todos os seus gêneros e estilos. Esse é meu propósito principal. Aliás, você não estaria lendo isto aqui nesse momento se não gostasse de pelo menos uma coisa daqui, seja ela livros, algum gênero, o layout do blog, minha escrita, eu mesma ou curiosidade. Agradeço a todos vocês e eu espero que cresçamos (sim, todos nós juntos) cada vez mais. Meus caros, não tem coisa melhor do que o universo literário não! Obrigada!

17 agosto 2017
RESENHA: A Caderneta Vermelha - Antoine Laurain

RESENHA: A Caderneta Vermelha - Antoine Laurain

A Caderneta Vermelha
Antoine Laurain
Editora: Alfaguara
Ano: 2016
Páginas: 135
Adicione no Skoob - Compre aquiSinopse: Caminhando pelas ruas de Paris em uma manhã tranquila, o livreiro Laurent Letellier encontra uma bolsa feminina abandonada. Não há nada em seu interior que indique a quem ela pertence — nenhum documento, endereço, celular ou informações de contato. A bolsa contém, no entanto, uma série de outros objetos. Entre eles, uma curiosa caderneta vermelha repleta de anotações, ideias e pensamentos que revelam a Laurent uma pessoa que ele certamente adoraria conhecer. Decidido a encontrar a dona da bolsa, mas tendo à sua disposição pouquíssimas pistas que possam ajudá-lo, Laurent se vê diante de um dilema: como encontrar uma mulher, cujo nome ele desconhece, em uma cidade de milhões de habitantes?

    Esse livro estava a bastante tempo na minha lista de leitura e parado no meu Kindle. Só consegui finalmente resgatá-lo pra ler quando o adicionei na minha lista de leitura de 2017 no Skoob e dividi quais livros dessa lista eu leria em cada mês. Chegou a vez de A Caderneta Vermelha e eu me impressionei bastante com o estilo de escrita do autor francês Antoine Laurain.

"Uma e cinquenta e oito da manhã: era inconcebível bater à porta de algum vizinho. Nem mesmo a daquele cara gentil, cujo nome ela não tinha gravado, que se mudara recentemente para o segundo andar e trabalhava com histórias em quadrinhos. O hotel lhe surgiu como a única solução."

12 agosto 2017
TAG: Aniversário Literário + meus 18 anos

TAG: Aniversário Literário + meus 18 anos

     Sinto que deveria postar algo especial nesse dia 12 de Agosto. No momento que escrevo esse post ainda é 11 de Agosto. Exatas 23:55. Faltam 5 minutos para o dia que eu sempre amei. Estou ouvindo The A Team na versão da Birdy. Sempre foi meu dia. Aquele dia em que eu podia dizer "é meu aniversário". Não sei o porquê de a cada ano eu me sentir menos animada a cada aniversário. Não, não penso em estar envelhecendo, mas por que consideramos aniversários tão chatos com o passar dos anos? Eu sempre prezei pelo dia 12 perfeito. Eu não ia para a escola se ele caísse em dia de semana. E se caísse no fim de semana, fica combinado de que uma viagem será feita. Nunca me senti diferente após cada dia 12, mas digo com toda a certeza do mundo que por mais de 7 anos eu esperei pelos 18 anos. Não por poder beber, "mandar em mim mesma", dirigir ou ser presa. Mas para eu finalmente sentir que eu posso fazer o que sonho e não vou ser tão nova quando disser às outras pessoas o que pretendo fazer. Falta 1 minuto. Sei que vou ouvir muitos "já pode ser presa". Mas na verdade quero ouvir um "já pode considerar-se apta para dar o passo pro seus sonhos". Eu sempre quis fazer 18 para poder ser independente, mas isso não tem idade. Hoje é meu aniversário. Não é só mais uma data ou um número maior quando perguntarem minha idade.

11 agosto 2017
Extraordinário - R. J. Palacio

Extraordinário - R. J. Palacio

Extraordinário
R. J Palacio
Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Páginas: 320
Adicione no Skoob - Compre aqui --Sinopse: O livro conta a história de Auggie, um menino que nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial. Em um manifesto em favor da gentileza, ele enfrenta uma missão nada fácil quando começa a frequentar a escola pela primeira vez: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.




"Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo." Auggie


      Extraordinário sempre foi aquele livro que parecia que todas as pessoas do mundo tinham lido, menos eu. Lembro que eu via o pessoal lendo durante a aula e, na verdade, ele não chamava minha atenção. Juro que não sei o porquê disso, mas sempre que me perguntavam se já li esse livro, eu dizia que não e que nem sentia vontade de ler. Finalmente chegou o momento e agarrei a oportunidade. Todo mundo já tinha me dito que é pesado, forte e emocionante. Não achei isso tudo não e me sinto estranha por isso. 

"Na semana que vem vou começar o quinto ano. Como nunca estudei em um colégio de verdade, meio que estou total e completamente apavorado. As pessoas acham que não fui à escola por causa da minha aparência, mas não é isso. É por causa de todas as vezes que fui operado. Vinte e sete desde que nasci."
08 agosto 2017
RESENHA: A Garota do Calendário (Maio) - Audrey Carlan

RESENHA: A Garota do Calendário (Maio) - Audrey Carlan

A Garota do Calendário  (Maio)
Audrey Carlan
Editora: Verus
Ano: 2016
Páginas: 144
Adicione no Skoob - Compre aqui
Sinopse: O quinto volume do fenômeno editorial nos Estados Unidos, com mais de 3 milhões de cópias vendidas Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Em maio, Mia vai trabalhar como modelo no Havaí, onde conhecerá Tai, um dos homens mais impressionantes que ela já viu. Com ele, Mia vai descobrir que o prazer não tem limites — e que ela deve aproveitar absolutamente tudo o que a vida tem a oferecer.

      Continuando minha saga com a leitura dos livros quase infinitos da série A Garota do Calendário, o mês de Maio foi mais um que não me alegrou muito. Ao contrário dos outros quatro, a contratação da Mia foi muito menos sem motivos do que das última vezes. 

ESTA RESENHA NÃO CONTÉM SPOILERS DOS LIVROS ANTERIORES

      Para quem ainda não conhece a história da série A Garota do Calendário, Mia Saunders está à procura de uma forma de pagar uma dívida absurda que seu pai tem com um agiota, já que o próprio está de coma por causa desta bendita dívida. Ela acaba trabalhando na empresa de acompanhantes da sua tia, onde todo mês seria mandada para um lugar diferente para trabalhar como acompanhante de homens que precisem fingir que têm um relacionamento sério para a mídia. Pareceu simples no início, mas Mia logo percebe que manter a classe e fugir do preconceito para com esse tipo de emprego é mais difícil do que ela imaginou.
02 agosto 2017
TAG: The Mistery Blogger Award

TAG: The Mistery Blogger Award


     Fui indicada pelo blog Jardim de Palavras para responder a tag The Mistery Blogger Award.  Obrigada pela indicação, adorei as perguntas feitas e estou ansiosa para responder desde já!

O Mystery Blogger Award é um prêmio para blogueiros incríveis com postagens engenhosas. Seu blog não só cativa; ele inspira e motiva. Eles são um dos melhores e eles merecem todo reconhecimento que eles conseguem. Este prêmio também é para blogueiros que acham diversão e inspiração em blogs e fazem isso com tanto amor e paixão”. (Okoto Enigma)

Regras:
♥ Colocar o logo/imagem do prêmio no seu blog.
♥ Listar as regras.
♥ Agradecer a quem o nomeou e fornecer um link para seu blog.
♥ Mencionar o criador do prêmio.
♥ Contar a seus leitores três coisas sobre você.
♥ Nomear até dez pessoas.
♥ Notificar os seus indicados comentando no seu blog.
♥ Pedir a seus candidatos que respondam cinco questões de sua escolha, perguntas estranhas ou engraçadas.
♥ Compartilhar um link para sua melhor postagem.


3 coisas sobre mim: 

  • Tenho aversão à perfume. Não propositalmente, claro. Mas não posso ficar ao lado de alguém que está usando muito perfume ou um muito forte que fico enjoada e a ponto de morrer de vomitar, sério. É péssimo!
  • Meu sabor de pizza favorito é portuguesa. Sou complemente apaixonada e tenho certeza que comeria pro resto da vida sem enjoar. 
  • Quero ser a Luisa Ferreira do Janelas Abertas quando eu crescer hahahaha. Conheci o blog dela faz pouco tempo, mas ela é jornalista e viaja por aí por diversos países enquanto escreve sobre suas experiências por lá. Quero MUITO poder fazer isso um dia, só que o lado literário. Quero continuar com o blog e escrever sobre como é a literatura e o acesso à leitura em diversos países e contar aqui pra vocês. É meu maior sonho no momento <3 P.S: Acessem o blog da Luísa e vejam que maravilha que é o cantinho dela e ela ainda é daqui do Recife!




Perguntas do Jardim de Palavras:

1) Sorvete ou Brigadeiro?
Prefiro sorvete. Eu gosto bastante de brigadeiro, mas como não sou lá fã de coisas doces e depois de duas garfadas enjoo, devo escolher sorvete.

2) Qual seu maior sonho de consumo?
Um MacBook. Bem clichê, mas sempre sonhei em ter um e espero muito ser rica a ponto de dar mais de 4 mil reais em um notebook haha. Como o blog é literário, vou também dizer qual é o meu sonho de leitura. Casos de Família da Ilana Casoy, que conta detalhes sobre os crimes Richthofen e Nardoni. Sim, sou obcecada por investigação e acho que vou me dar de aniversário esse livro haha.

3) Qual é o seu sonho mais louco? Tem alguma meta para chegar até ele?
Escrever como jornalista fora do país. Com certeza. Acho que tudo nessa vida que você queira de verdade, precisa de esforço e metas. Por enquanto, estou no passo 1 do meu sonho que é o 2º período da faculdade!

4) Como você se define?

Apaixonada por livros, viciada em séries, sonífera e sonhadora.

5) Você tem uma frase favorita? Se sim, diga qual.

"Spirit lead me where my trust is without borders" ou "Espírito me guie onde minha confiança é sem limites. É de uma música muito importante pra mim que se chama Oceans do Hillsong United.


Blogs que eu indico para responder a tag:


Minhas perguntas para os blogs indicados:

1) Prefere ficar sem chocolate pelo resto da vida ou sem poder ler pelo resto da vida?
2) Se você pudesse ter um "sim" para qualquer pergunta que fizesse agora, qual seria a pergunta?
3) Qual foi seu momento mais feliz com seu blog?
4) Que livro te fez chorar a ponto de sair contando pra todo mundo que chorou lendo?
5) Que obra clássica você mais tem vontade de ler, mas ainda não conseguiu?



por aqui...

algumas parcerias e informações