4

Confesse
Colleen Hoover

5

A Arte da Guerra
Sun Tzu

1

O Apanhador no Campo de Centeio
J. D. Salinger

2

A Escrava Isaura
Bernardo Guimarães

3

Um Perfeito Cavalheiro
Julia Quinn

Post #200: Um papo sobre a literatura nacional e desabafos sobre valorização

01 julho 2017
     O post de hoje é o 200 socorro e, como é perceptível, não é uma resenha, e sim um papo sobre autores nacionais e ao mesmo tempo uma retrospectivazinha do mês de Junho com novidades.
     É o seguinte, pra quem ainda não sabe, estudo Comunicação Social na UFPE e estou, com muita fé, acabando o primeiro período. Esses últimos 3 meses da minha vida foram os mais conturbados, mas ao mesmo tempo legais, de toda a minha vida. Mudei de cidade, de rotina, conheci muita gente legal e estou finalmente fazendo o que amo - ou caminhando pra isso. Minha cadeira favorita no curso foi Técnicas de Redação e desde que vi a ementa me apaixonei. Então, eu sempre soube que ela ia ser minha favorita. Se eu posso escrever já ganha mil pontos comigo. O nosso último "projetinho" na cadeira foi escrever uma reportagem sobre qualquer coisa. Bem, eu já havia escrito notícias, perfis e entrevistas. Julguei mentalmente que a reportagem ia ser um bicho de sete cabeças, mas acabou sendo minha matéria favorita. Escrevi sobre as novas faces da literatura nacional e a valorização dos autores daqui. Entrevistei muita gente legal e tudo isso graças ao blog. Vejo bastante gente falando que blogueirx é só postar sobre algo e puft, já está famoso E ganhando coisas. Primeiramente, nós não ganhamos nada além de amor e atenção tanto dos leitores, quanto dos autores e editoras. Nós RECEBEMOS algo para que possamos trabalhar com isso. Se escrevemos resenhas de livros, é óbvio que, com o tempo, RECEBEREMOS obras para resenhar, o que é sim um trabalho.
     E eu escrevi sem nem saber se aquilo era realmente uma reportagem. Acabou que foi sim e eu me orgulho muito do trabalhão danado que tive, mas que resultou em algo muito bacana que vou postar por aqui em breve, claro. Teve conversa com a Bella Crestan, a autora de Sob o Olhar Grego (resenha aqui), com a Rebecca Romero de Marketing & Amor (resenha aqui) e muitas outras pessoinhas que me ajudaram a escrever sobre as dificuldades do mercado editorial no Brasil. 

     Foi por isso que resolvi vir aqui e agora escrever um pouco sobre isso e sobre o que tá vindo por aí. Escrevendo essa reportagem eu percebi que estava escrevendo sobre os autores, mas não deixava de escrever sobre nós, blogueiros. Por que diabos não recebemos a valorização que merecemos? Bem, posso estar um pouco alterada ou apenas cansada de tanto trabalho para pouco retorno. Retorno financeiro? Claro que não. Meu retorno é minha satisfação e a de quem lê o blog. Quero que o que eu escreva realmente seja útil e interessante e que vocês possam continuar aqui comigo porque sei que estou fazendo o que amo e, se você está aqui, também ama as coisas que eu escrevo sobre aqui no blog. 
    Maaaas foi entrevistando blogueiras e interagindo por duas semanas com blogs literários que percebi que muitos fazem sim seu trabalho, porém ainda consideram como algo do tempo livre. Não é um tempo livre! Tenho certeza que você poderia estar saindo com amigos, assistindo filmes, vendo séries ou até mesmo lendo devagar um bom livro. Mas NÃO! Você, blogueirx, está dividindo seu tempo entre tudo que você anda fazendo atualmente, mas compra livros de gêneros diferentes para inovar no blog, investe seu próprio dinheiro em aparência e recursos para melhora do blog, lê devagar para pegar o que está nas entrelinhas, marca quotes interessantes, passa umas boas horas escrevendo o post, tira 365 fotos para apenas 5 estarem na postagem, divulga para o mundo inteiro e no fim: é diversão. Não é, gente. Isso é o seu trabalho! Então acho que temos que fazer nossa pequena parte de continuar fazendo o que amamos - tudo isso que está em negrito -, mas também precisamos assumir que temos um trabalho, sim!
            Esse mês de Julho vai ter posts todos os dias. Vão ser posts diversificados e claro, vai ter muita resenha também. Mas quero pegar esse mês para falar sobre esse mundo literário e eu espero que vocês gostem da ideia como eu. 

Livros resenhados no mês de Junho:





Vários gritos e pulos mentais durante a leitura. Seis Anos Depois é tão viciante que comecei a ler de 20:00 e só parei de 4 da manhã do dia seguinte. Eu não conseguia parar de virar as páginas e tentar descobrir o paradeiro de Natalie e de tantas pessoas que eu SABIA que estavam interligadas antes mesmo do Jake saber, mas assim como ele: eu precisava de provas. Não sei o que deu em mim, mas meu gênero favorito do momento é suspense e investigação. Sabe quando você está tão imersa em uma leitura que esquece tudo a sua volta e só volta ao mundo real quando vê um "Agradecimentos"?

2. A Pequena Vendedora de Fósforos do Hans Christian Andersen

Inicialmente fiquei achando que a internet estava errada quando dizia que o livro tem apenas OITO páginas, mas era realmente isso. Um conto pequenino infantil que minha mãe deveria ter conhecimento da existência dele quando eu era criança. Eu gostaria de ter ouvido essa história e desde cedo ter pensado sobre o assunto retratado no conto. A leitura é mágica e ao mesmo tempo triste.



3. A Garota do Calendário (Abril) da Audrey Carlan 

Sim, esse quarto livro é definitivamente um dos que eu não considero tão bom na coleção de livros - do que li até agora. Li com muito tédio e cheguei no fim esperando que algo acontecesse, mas infelizmente fiquei só querendo mesmo.





4. O Acordo da Elle Kennedy

Me impressionei com O Acordo, pois jurava que seria só mais um clichêzão (que é bom de vez em quando) que eu acabaria dando umas duas estrelas. Bem, finalizo com quatro, pois acho que faltou a autora explorar mais certos assuntos abordados no livro que ficaram na minha cabeça. 




5. Quase Uma Rockstar do Matthew Quick

Quando comecei a perceber que tudo se interligava de uma forma incrível, cheguei a pensar que eu devia ler esse livro nesse momento da minha vida em que eu questiono fé. Talvez o amigão JC queria que eu tivesse lido esse livro. Bem, chorei em umas cinco partes diferentes e aposto que pelo menos três delas foram simplesmente por eu me identificar com Amber.



6. A Vida de Aparência de Evelyn Beegan da Stephenie Clifford

Tentei ver uma parte boa no livro, mas falhei. Sempre que eu tentava retomar a leitura, minha cabeça doía e eu me estressava por mais personagens entrando na história e eu nem lembrava dos da primeira. Evelyn já estava ficando insuportável para mim e eu considero A Vida de Aparência de Evelyn Beegan um dos livros mais ruins que já li, e olha que sou otimista. 



7. Alguém Como Você - Taynara Lima

O que falar de um dos meus livros favoritos? Sim, eu meio que já tinha noção de que eu iria me apaixonar pelo livro por ser com jornalistas, maaaas eu me impressionei mesmo assim e chorei também! Esse é aquele tipo de livro que assim como A Menina dos Olhos Molhados da Marina Carvalho, me fez ter certeza de que estou no curso certo e que quero um romance desses também hhaha. 



8. Real da Katy Evans

Mesmo com os capítulos passando e mais informações sobre o passado de Remy vindo à tona, não consegui criar nenhuma afeição por ele. Não sei se minha primeira impressão sobre ele ficou tão presa no meu cérebro, que não conseguiu se desmanchar, ou Remy era apenas... Remy. 







Meu conto não é de Fadas pode parecer um romance juvenil simples, mas um dos finais realmente me impressionou. Fiquei com uma pulguinha atrás da orelha e as notas da autora no final do livro me fizeram chorar a ponto de querer colocar aqui exatamente o que está escrito, mas creio eu que não posso fazer isso haha, mas vou tentar, juro.




10. Os Delírios de Consumo de Becky Bloom da Sophie Kinsella

Acho que a melhor escolha que fiz na vida foi finalmente começar a ler a série de livros da Becky Bloom. Pra quem não sabe, meu filme favorito de todos os tempos é e sempre foi Os Delírios de Consumo de Becky Bloom. Já assisti mil vezes e acho que tinha uns 10 ou 11 anos na primeira vez e me apaixonei de cara. Eu simplesmente amo o cenário do filme, o estilo da Becky e o fato de ela ter se endividado tanto e mesmo assim trabalhar para uma revista de finanças. 




UFA! Foi bastante resenha né? Li dez livros no mês e foi bem produtivo! Também consegui completar a Meta de Leitura do mês que eu teria que ler os números 5, 8 e 10 da lista. Agora só faltam mais uns 20 livros pra completar a de 2017 haha. Agora nesse mês de Julho, os livros que coloquei da meta do ano foram The Kiss of Deception, The Duff e A Caderneta Vermelha. Estou beeem ansiosa pra ler esses livro que já estavam quase apodrecendo no "Quero ler" do Skoob. Espero que tenham gostado desse modelo de post e amanhã vou dar uma faladinha sobre umas novas parcerias aqui do blog!

  1. Nossaaa, tu leu muitos livros esse mês, que inveja! haha Adorei o "desabafo". Acho que os blogueiros são sempre incompreendidos, mas principalmente porque o trabalho com a internet é algo novo e muitas vezes tido mesmo como diversão, que era o que as pessoas normalmente faziam quando estavam online. A gente investe muito tempo e amor nisso pra ser mal valorizado, mas se continuamos é porque gostamos mesmo. Com o tempo o reconhecimento vem :) Já estou ansiosa pelo posts de julho! Boa sorte :D

    Boa semana :D
    http://tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Menina, se você acha que a situação tá ruim para você imagina quem é blogueiro e autor? Por experiência própria, é muito difícil. Faz uns 2 anos que peguei o blog mais a sério e agora que as coisas estão tendo um pouco de retorno (nada financeiro, claro). Sem falar que as pessoas não dão valor a Literatura Nacional, a não ser quem é "do meio" e isso me frustra mil vezes mais do que o fato de nem todo mundo levar a sério meu blog. É chato, mas aprendi a lidar porque a pessoa que tem que levar o blog e a minha escrita a sério sou eu. Espero que continue gostando do Jornalismo! Já estou indo para o 4º semestre e confesso que às vezes dá vontade de jogar tudo para cima, mas a verdade é que amo o meu blog e sei que nenhuma outra faculdade me ajudaria a fazer o blog evoluir para um patamar mais profissional do que o curso de Jornalismo (o meu é específico Jornalismo e não CS - Jornalismo). Outra coisa que aprendi com o tempo na bloguosfera (desde 2012) é que não tem espaço para todo mundo, então é bom que acima de tudo gostemos do que estamos fazendo, ao menos se nada der certo, fazemos o que gostamos <3
    Beijos
    http://sophiesamiesarfati.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

❤ Proibido usar palavras de baixo calão
❤ Não há moderação de comentários
❤ Deixe o link do seu blog para que eu também possa visitá-lo e segui-lo no Google Friends Connect!