4

The Kiss Of Deception
Mary E. Pearson

5

O Orfanato da Srta. Peregrine P. C. P.
Ransom Riggs

1

826 Notas de Amor Para Emma
Garth Callaghan

2

Meu Romeu
Leisa Rayven

3

Jardim de Inverno
Kristin Hannah

RESENHA: Meu Nome é Albert! - Ronaldo Viana S.

21 julho 2017
Meu Nome é Albert!
Ronaldo Viana S.
Editora: Ágape
Ano: 2017
Páginas: 256
Adicione no Skoob - Compre aqui -
Sinopse: Pessoas são diferentes. Pessoas são únicas. Pessoas têm nome e, neste livro, o nome Albert poderia ser substituído por John, Dimitri, Sarah, Giulia, poderia até ser Kurt ou qualquer outro. Poderia ser o seu, poderia ser o meu. Lendo este livro, é possível que você ria com Albert, que chore com ele. E é bem possível que você o ame. Talvez você se veja nesse garoto e queira entrar nas páginas desta obra e defendê-lo - ou defender-se - de seus agressores. Meu nome é Albert! é uma obra baseada em fatos reais. Nela o autor reviveu a própria história e a de milhares de pessoas ao redor do mundo, talvez até a sua. Uma história que é vivida por muitos, mas que não deveria pertencer a ninguém.
 

       Meu Nome é Albert! é o primeiro romance de Ronaldo Viana S. e trata o bullying de uma forma emocionante, abrangendo amizades e família. Confesso que assim que o autor entrou em contato comigo para falar sobre a parceria, fiquei extremamente honrada. Eu havia lido sobre a obra em outro blog e comentado sobre como amo livros que tratam sobre causas sociais. São minhas duas paixões em um livro só. Meu Nome é Albert! superou minhas expectativas de todas as formas. Chorei pelo Albert e por tantas cenas que pareceram tão familiares para mim. 

"- Eu não tenho amigos, Kurt. Todos zombam de mim na escola e eu tento esconder os meus três dedos anões da mão direita, só que não consigo. Aí, olho para a mão esquerda e percebo que é tolice, pois nela é pior. Como você vê, eu não tenho dedos na mão esquerda. Eu estou perdido, Kurt! As pessoas ficam me olhando assustadas e algumas têm pena de mim, enquanto outras riem na minha cara. Eu não tenho amigos, a não ser você."

      Albert é um garoto alemão de 11 anos da década de 70. Ele é educado, gentil e amoroso, porém sofre todos os dias por uma deficiência física. Albert só possui três dedos em uma mão e nenhum na outra. Isso, de fato, causou certo estranhamento na comunidade, mas a pior parte é que tudo isso levou ao bullying constante e, por incrível que pareça, ele não vinha só de colegas da escola, mas de adultos e dos próprios irmãos. Albert então se isola no jardim em seu próprio mundo com seu único e melhor amigo, Kurt, e sonha com o dia em que seria tratado como todos os outros meninos de sua idade. 

       Confesso que fiquei bem impactada quando soube os motivos do bullying. Até então, pela sinopse, é o que percebemos, mas não sabemos o motivo. Meu espanto não se deu pelo seu problema, e sim sobre a capacidade de sempre ver o lado bom das coisas de Albert, logo quando descobrimos a sua deficiência. O livro é narrado em terceira pessoa e eu me sentia cada vez mais triste com o que diariamente Albert tinha que lidar, e calado. Em pleno século XXI, o bullying ainda é tratado com indiferença ou confundido com brincadeiras, o que faz muitas escolas e até mesmo famílias não levarem o problema à sério. Não como deveria. Prestei bem atenção ao começo de cada capítulo, quando o ano era estampado fielmente. 1974.

"Ele sempre achou que o problema estava apenas nele, sendo ele inferior a todos. De mais a mais, no fundo, culpava Deus por ter nascido com apenas três dedos."

       Fiquei imensamente feliz quando vi que, por mais que todos parecessem estar do lado contrário à Albert, sua mãe sempre esteve ao seu lado. Não sou mãe, nem muito menos espero ser em breve. Mas eu tenho uma mãe que JAMAIS daria as costas pra mim quando eu estiver em problemas. Albert teve sua mãe ao seu lado a todo o tempo. Às vezes um "como você está hoje?" faz diferença, gente. Isso significa que existe alguém que se importa com você e não tem medo de demonstrar isso. Albert dizia que não tinha amigos, mas a verdade é que ela sempre foi sua melhor amiga, por mais que ele não pensasse assim por ela ser sua mãe.

    Há tantas coisas pra falar desse livro, que por mim eu ficaria escrevendo sobre tudo e todos os personagens. Os irmãos de Albert me impressionaram por toda a trama. O psicólogo esteve presente para aconselhar Albert, seus irmãos e sua mãe para que continuassem lutando e Kurt! Como eu o admiro. Creio que a parte mais emocionante foi o final, Saber o mistério a cerca do melhor amigo de Albert que ninguém via foi LINDO! Eu realmente não esperava aquilo e fiquei bem emocionada! Não posso esquecer da parte religiosa do livro. Albert frequenta a igreja e em uma de suas conversas com Kurt, desabafou sobre como gosta de Deus, mas se pergunta o porquê de tudo aquilo. Por que ele foi capaz de deixar que Albert nascesse assim e sofresse tanto? Eu só queria poder dizer para o Albert que eu o entendo muito bem e me identifiquei muito nessa parte, o que me deixou mil vezes mais pensativa. Ronaldo estava bem certo ao escrever a sinopse do livro. Albert poderia ser substituído por Clarissa sim, assim como pelo seu nome. 

"Adrian interrompeu a fala, pegou o Livro Sagrado e leu para Albert: "Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (Jo 4:6).

"Eu sei que Deus é bom, Kurt, pois já aprendi isso com a minha mãe e com o reverendo Adrian. Mas acho que nunca entenderei por que Ele quis que eu tivesse apenas três dedos, sendo eles, além do mais, tão pequenininhos. Eu os chamo de anões. - falou isso olhando para a sua mão direita." 

   Meu Nome é Albert! sem dúvida nenhuma é um dos melhores livros que já li. É forte? Sim. Pra você ter noção, em uma parte não aguentei. Simplesmente fechei o livro e fechei os olhos com força. Eu queria me teletransportar para dentro do livro, na Alemanha dos anos 70, correr até o jardim da casa de Albert em uma manhã ensolarada e o abraçar e enquanto isso dizer o quanto ele era especial. Não pela sua deficiência. Mas por ser um menino tão incrível, que mesmo com tanta negatividade ao seu redor, se manteve forte e viu sua vida melhorar ao lado das pessoas que ama. Ele soube perdoar. Por ser uma obra baseada em fatos reais e vivida pelo próprio autor, eu só tenho orgulho de você Ronaldo, por hoje ser quem és e por escrever mais de 200 páginas que com certeza me inspiraram e continuarão me inspirando todos os dias. 
  1. Wow, o livro parece ser bem tocante e profundo. Ainda não o conhecia, mas estou com vontade de ler. Acho que nunca li assim sobre bullying, principalmente que não seja "atual". Acho que apesar de tudo, deve ser bem fofinho, por causa da mãe dele ajudando ele <3

    Bom fim de semana :D
    http://tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é, Raquel! Muito emocionante MESMO. É fofo sim, apesar das partes pesadas <3

      Excluir
  2. Oii Clarissa,
    eu to apaixonada pelo seu blog ♥ ♥
    É lindo demais, amei tudo aqui, inclusive sua resenha.
    Mil beijos!

    http://www.depoisdesonhar.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Clarissa!Que resenha linda e tocante! Só de ler eu já me emocionei aqui do outro lado. Não conhecia o livro, mas a história é muito rica, mais ainda por se basear em fatos reais. Infelizmente o bullying sempre esteve presente em qualquer período e continua até hoje. O ser humano tem dificuldade de aceitar as diferenças, seja ela qual for, e por não respeitar, acaba atacando. Vivemos em um mundo cruel, mas mesmo tendo inúmeras pessoas preconceituosas, desrespeitosas por aí, sempre vamos achar pessoas especiais e que vão ficar do nosso lado se algo parecido acontecer. Não precisamos de muitos amigos, precisamos de poucos, mas valiosos amigos. Albert tinha poucos, mas eles foram essenciais para que o menino conseguisse suportar toda a maldade que lhe rodeava. A história deve ser linda! Já quero ler em breve!

    Beijos

    Vivian
    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Vivian. Com o Albert eu aprendi que o maior apoio que você vai ter na sua vida é da sua família e que aos poucos dá pra viver feliz sim com o que temos e sem medo!
      Beijoss

      Excluir
  4. Oi Clarissa, estou nas últimas páginas, agora mesmo vou terminar de ler por que estou mega curiosa com o final haha
    Tive o mesmo ponte de vista que você, até agora e nem quero ver a gigante resenha que vai sair haha
    Beijos 💞
    https://melissamorei.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhhh, espero que você goste tanto quanto eu gostei!! Hhahhaha já quero ler sua resenha viu?

      Beijoss,
      Próxima Primavera

      Excluir
  5. Olá Clarissa!
    Primeira vez aqui no blog e adorei o cantinho!
    Esse livro parece trazer muitas lições, gostei da dica!
    Grande abraço!
    EVENTUAL OBRA DE FICÇÃO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Roberta!! E é verdade, você termina de ler inspirado mesmo <3
      Beijoss

      Excluir
  6. Oi Clarissa , já ouvi falar nesse livro , ouço dizer que é muito bom inclusive . Gostei da sua resenha e opinião
    Beijos | Portal Tuddo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é muito bom mesmo! Vale super a pena. Obrigada!! Beijão!

      Excluir
  7. Oi Clarissa, tudo bem? Eu não conhecia a obra, mas gostei bastante da descrição do protagonista! Bullying é um tema sempre bom de ser discutido!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi! É sim, Meu Nome é Albert! é bem forte nesse quesito. Acho uma boa pra todos os públicos <3

      Beijoss

      Excluir
  8. Oi
    eu já vi divulgações desse livro, parece ser muito emocionante pelo que falou e me interessei na leitura, ele deve ter sofrido muito, se hoje em dias assuntos assim são complicados, imagine na época que a história se passa.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu refleti muito sobre isso. Imagino como deve ter sido não ter apoio nenhum em relação ao bullying. Hoje temos um pouco de apoio e é do jeito que é.. imagina sem :(

      Excluir
  9. Olá!!!
    Nossa!! Que resenha, mana! :') É incrível quando a gente se identifica tão forte com um livro, né? Isso não lembra aquele lance todo de projeção e identificação das aulas? Mas enfim, eu nunca tinha ouvido falar desse livro, mas já me interessei muito! Além de tu ter amado, se passa na Alemanha dos anos 70!
    Amei o post <3
    Beijosss
    seessemundofossemeu.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mulher, tu acha que eu vou lembrar de Amilcar? Acabou amém hahahha. Mas sim, é muito lindo e eu me identifiquei bastante <33

      Beijosss

      Excluir
  10. Oi, Clarissa!
    Não conhecia esse livro, mas fiquei super interessada agora.
    A obra me lembrou muito Extraordinário em certos aspectos, principalmente sobre a mãe do Albert sempre estar no seu lado. E gostei mais ainda de saber que se passa na Alemanha. Bem diferente o cenário.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Sorteio de Férias: cinco livros, um ganhador!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou lendo Extraordinário e a narrativa é bem diferente mas ainda assim alguns toques realmente são parecidos, apesar de as situações serem outras hahah.

      Beijoss

      Excluir

❤ Proibido usar palavras de baixo calão
❤ Não há moderação de comentários
❤ Deixe o link do seu blog para que eu também possa visitá-lo e segui-lo no Google Friends Connect!