4

Confesse
Colleen Hoover

5

A Arte da Guerra
Sun Tzu

1

O Apanhador no Campo de Centeio
J. D. Salinger

2

A Escrava Isaura
Bernardo Guimarães

3

Um Perfeito Cavalheiro
Julia Quinn

"Mesmo quando os sonhos se perdem, é possível encontrar um futuro."

24 janeiro 2017

                Já faz algumas semanas que eu entrei no Youtube e vi um vídeo que eu já havia assistido na aba de Recomendados. Não era um vídeo, aliás. Era um documentário sobre a gravidez na adolescência no nosso país. Por que eu assisti? Bem, no começo do ano passado, minha professora de redação passou para a minha turma um projeto livre em que escolheríamos um tema qualquer e falaríamos sobre ele. Escolheram drogas, álcool, lixo e no meu grupo escolhemos a gravidez, mais especificamente na adolescência. Naquele momento eu realmente não imaginava o que eu ia encontrar sobre o assunto e aos 17 anos de idade, eu não fazia ideia de como seria engravidar e o que realmente acontece com quem engravida nessa idade. Logo eu me deparei com o documentário que citei anteriormente que chama-se "Meninas". Comecei a assistir por obrigação (pois precisava de suporte) e curiosidade mesmo.

Resultado de imagem para documentário meninas gravidez
O documentário gira em torno de algumas adolescentes e pré-adolescentes que por algum motivo engravidaram. O cenário escolhido para a gravação do documentário foi a favela da Rocinha no Rio de Janeiro. A produção procurou diversas meninas durante a gestação e gravaram até o momento do parto e claro: não deixaram de mostrar o cotidiano real de cada uma. Uma delas conheceu o pai do filho dela em um baile funk e disse que se apaixonou logo por ele e não foi porque "ele é bandido". Já que segundo ela, muitas meninas se interessam por esse tipo de cara só por isso. Ela o convenceu a sair do 'grupo' que ele fazia parte porque não dava pra ele continuar metido em coisas assim quando vai ser pai. Já outra menina confessa que quis o bebê. Ela tem várias irmãs e sempre foi ela quem cuidou delas quando eram pequenas e por isso quis ter o próprio bebê. A própria boneca. Outra adolescente conta a história de seu relacionamento afirmando que se separou do namorado e descobriu que estava grávida logo depois. Enquanto isso ele engravidou outra adolescente que também foi chamada para contribuir com o documentário. Essa afirmava com lágrimas que teve de desistir de seu sonho de entrar para a Marinha já que mulheres que tiveram filhos não podem entrar. O pai dos dois filhos de adolescentes diferentes afirma que ama a primeira menina e que não foi culpa dele ter engravidado outra já que ela que terminou com ele por "fofoca das colega dela".


Na primeira vez em que vi o documentário cada palavra me chocou. Cada ambiente, cada cena e cada relato das meninas e dos parentes. Muitas delas (todas) não tinham corpo nem maturidade para lidar com um bebê. Abandonaram a escola e tiveram de - não sei como - sustentar os filhos. Eu assisti o documentário mais quatro vezes. Eu confesso que sei decorado tudo que acontece nele e até mesmo as falas. E sabe o mais estranho de tudo isso? Eu não vou cansar de ver. Pode apostar que cada vez que esse documentário aparecer nos Recomendados eu vou clicar e assistir ele todo novamente como se fosse a primeira vez. Vou me chocar com cada história e com o final que eu literalmente chorei em todas as vezes que assisti. Claro que não pude deixar de levá-lo para a escola e fiz questão de mostrar algumas partes dos relatos das meninas. Minha turma assistia a cada cena sem piscar os olhos. E com isso eu acabei procurando mais documentários desse estilo e acabei encontrando um filme com a Nanda Costa. Deixo claro aqui que esse é um dos meus filmes favoritos e ainda por cima explora de um modo diferente o assunto do documentário que falei.

Resultado de imagem para sonhos roubados filme



Sonhos Roubados começa com a batida de uma música muito conhecida por mim. Por acaso, dancei em uma apresentação a música com o nome do filme cantada por Maria Gadú. Ela diz: "Eu não sei onde eu deixei, mas alguém veio roubar aquele sonho que sonhei e não sei onde andará. Prefiro nem dormir, esquecer de sonhar. Eu quero, quero muito, quero agora. Sem demora o meu desejo ninguém vai roubar".


Jessica tem seus 17 anos e tem uma filha pequena para criar em plena favela. Ela tenta ir à escola e trabalhar ainda tentando ter tempo para cuidar da sua filha. Sua preciosa filha. Jessica sofre quando se sente ameaçada pela mãe do pai do filho da criança, uma evangélica que se leva por rumores sobre Jessica e quer lutar pela guarda da criança. Os rumores talvez fossem reais. Jessica tomava cuidado para não transparecer de onde vem o pouco dinheiro que tem. Ela é apenas uma das vítimas reais da prostituição que não é uma opção e sim uma saída segundo elas.

Sabrina sonha com um cara que seja inteligente, legal e obviamente rico que a leve para conhecer outros países. Acaba sendo levada por Jessica para o mundo da prostituição com o mesmo propósito, mas acaba conhecendo um dos bandidos mais procurados daquela região, o Wesley. Ele é lindo, perigoso e parece estar apaixonado por Sabrina. Ela se sente no paraíso quando sabe que encontrou seu príncipe encantado. O grande problema no caminho dos dois é uma gravidez que faz com que Wesley a culpe e a abandone. Com ela é deixado apenas uns 50,00 para um aborto (como se desse).

Daiane é a mais nova do grupo e quer ter um pai. Ele julga não ser pai da menina e a trata com muita ignorância. Ela está sempre insatisfeita com o lugar onde mora com sua tia e o marido dela e com o pouco que tem para si mesma. Seu pai não contribui com nada e ela começa a se sentir na necessidade de cuidar dela mesma, pintar o cabelo e as unhas. Com Jessica e Sabrina, começa aos 14 anos de idade a participar de programas em conjunto recebendo algo como 20,00 por vez. Seu maior sonho é uma festa de 15 anos bem bonita em que ela possa dançar uma valsa com seu pai claro e lutar contra os abusos sexuais do marido da sua tia - que ela sofre desde criança.

O filme mostra o cotidiano das duas na procura de seus respectivos sonhos. Jessica percebe o quanto é difícil sobreviver da prostituição e o quão sério é ter que depender de vender seu próprio corpo sendo menor de idade. Eu fiquei mil vezes mais chocada com esse filme do que com o documentário. Eu me apaixonei por cada cena e revivi cada uma delas me colocando na pele das três meninas. Eu não conseguiria.

Resultado de imagem para sonhos roubados filme

É vendo esse tipo de filme e documentários que eu percebo o quanto é inútil se preocupar com algumas coisas. Eu mesma posso estar preocupada com que faculdade estarei indo em alguns meses enquanto SEI que alguém da minha idade está nesse momento sofrendo por algo que nunca pediu para sofrer. Sem comida na mesa, grávida e muitas vezes indo para a prostituição como uma saída. "Dinheiro fácil". Seria mesmo fácil? Seria fácil deixar sua família em casa e ser vendida por pouquíssimo dinheiro para qualquer um? Ser tratada como mercadoria para poder apenas comprar uma lata de leite ou um galão de água? Não é uma opção como eu disse antes. Não é como se elas tivessem como fazer isso, são apenas adolescentes com pais que 90% das vezes não se importam com nada e até as abandonaram. E é vendo esse cenário baseado em fatos tão reais quanto você lendo que está lendo esse post agora em seu celular ou computador. Não é preciso procurar muito para ver o que está acontecendo em várias casinhas amontoadas no nosso país. O que é difícil de se achar é uma solução. E mesmo assim eu não vou parar de me importar com o cotidiano dessas pessoas e nem muito menos de escrever isso pra vocês. Como já falei nos posts de suicídio e trabalho infantil: eu pretendo sim usar minhas palavras escritas para conscientizar pelo menos alguém aí que está lendo. E eu espero que algo tenha se passado na sua cabeça ao ler tudo que escrevi. Foi um sentimento estranho né? Eu sei. Eu sinto isso todos os dias. 


Imagem relacionada
Sonhos Roubados
Ano de lançamento: 2010
Classificação etária: Proibido para menores de 18 anos (na verdade é livre para todos os públicos na capa do filme, mas com sexo e nudez explícitos e linguagem erótica e inapropriada eu não considero livre)
Sinopse: Jéssica (Nanda Costa), Daiane (Amanda Diniz) e Sabrina (Kika Farias) são adolescentes e moram em uma comunidade carioca. Elas eventualmente se prostituem, no intuito de conseguir dinheiro para satisfazer seus sonhos de consumo. Entretanto, mesmo com os problemas do dia a dia, elas tentam se divertir e sonhar com um mundo melhor. (Adoro Cinema)





  1. Oi Clarinha!
    Parece ser um filme bem forte esse. Vou ver se tenho coragem de assistir, rs.

    Beijoooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É super forte, mas dá pra ver de boas! É até meio comédia haha

      Excluir
  2. lembro de ter visto esse filme em algum lugar
    quero mto assistir!
    bjos
    http://thaydreams.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ainda não vi, mas imagino o quanto a história deve ser forte!

    Bjinhos,
    ❥ AmigaDelicada.com.br

    ResponderExcluir
  4. Não sou muito de assistir documentários, mas com certeza gostei das indicações. Devem ter exemplos de vida e superação muito incríveis nessas histórias..

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  5. Nossa, eu não conhecia esse filme. Mas esse é um tema muito importante que preciso ser discutido. Gostaria de assistir sim.
    Mil beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/2017/01/resenha-do-livro-princesa-das-aguas.html

    ResponderExcluir
  6. Não sabia desse filme ainda. Gosto de filmes brasileiros que contam essas histórias das pessoas do morro, como Cidade de Deus e outros. Acho que são os melhores filmes para fazer as pessoas se conscientizarem da vida difícil que aquela gente leva. Adorei seu post, me deixou muito curiosa para assistir, tanto o documentário quanto o filme. Sabe se tem no Netflix?

    Beijos,
    Blog Gaby DahmerFanpage

    ResponderExcluir
  7. Eu também assisti há um tempinho ao documentário pelo mesmo motivo: trabalho de escola. Mas a coisa toda acaba te envolvendo, é realmente um choque de realidade. O filme ainda não assisti, mas me interessei muito para dar uma conferida, as produções brasileiras precisam ser mais valorizadas, ainda mais quando abordam assuntos tão importantes!
    Adorei o post e as recomendações! <3
    xoxo.

    WWW.OBSTRELANDO.COM

    ResponderExcluir
  8. Oi Clara,

    Você tocou em um assunto que vira e mexe está em pauta em matérias, mas que não é realmente aprofundado. Conheço várias meninas que engravidaram na adolescência (tenho vários casos na família), mas felizmente nunca presenciei isto acontecendo nas situações das meninas citadas. Morar e sobre(viver) em uma favela não é fácil, se envolver com traficantes menos ainda e no meio de tudo isso engravidar?! Não consigo imaginar pelo o que essas meninas do documentário passaram/passam. Eu me interesso bastante pelo assunto, mas não conhecia o documentário e o filme com a Nanda, então irei assistir os dois agora mesmo. Adorei seu post, precisamos de mais pessoas dispostas a olhar para o lado denegrado da nossa sociedade.

    Beijos,

    Gnoma Leitora

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Adorei as dicas dos documentários!
    E gostei do seu comentário.
    Vou procurar os dois para assistir.
    É um tema complicado e real, que muitos não tem idéia de como é, e muitos outros fecham os olhos para isso.

    Adorei o blog e já estou seguindo

    Beijos
    http://doceestante.blogspot.com/

    ResponderExcluir

❤ Proibido usar palavras de baixo calão
❤ Não há moderação de comentários
❤ Deixe o link do seu blog para que eu também possa visitá-lo e segui-lo no Google Friends Connect!